Leia nossos

conteúdos

  • Liderança e Pessoas
  • 4,23 min

A organização de trabalho do sistema de produção e o impulso positivo da liderança

A indústria do futuro requer uma visão holística onde inovação, excelência operacional, digitalização e sustentabilidade caminham lado a lado. A velocidade das mudanças para atender os desejos dos clientes, a complexidade e a individualização dos produtos fazem com que novos padrões sejam definidos e processos sejam cada vez mais flexíveis e eficientes.

Um sistema de produção fundamentado nos conceitos “lean”, permite a integração de diferentes variáveis em uma mesma linha de montagem, garantindo uma rápida reação às necessidades dos clientes, além de estruturas ágeis e competitivas.

O princípio básico de um sistema de produção com estas características é focar naquilo que realmente é essencial. Isto significa gerar valor onde o produto é criado, garantindo a gestão no chão de fábrica. Líderes devem envolver os colaboradores na resolução de problemas, através da criação de uma cultura que fomenta a excelência e a melhoria contínua.

Esta cultura é fundamentada pela organização de trabalho que, com papéis e rotinas definidos, traz o foco no cliente através do envolvimento dos colaboradores como um fator de sucesso. Rituais e rotinas são necessários para que cada um cumpra o seu papel e para que a cadeia de ajuda seja direcionada a quem tem o primeiro contato com o produto, o primeiro contato com o cliente, ou seja, o colaborador.

Eliminar possíveis distúrbios, com rápida reação e processos claros, manter a produção estável com confirmações de processo, instruções e treinamentos são fatores de estabilização do sistema. Um processo estável, permite a melhoria contínua, conduzida pela liderança através de acompanhamento e coaching orientado à necessidade específica.

O papel da liderança fica mais evidente nesta etapa, onde é necessário indicar a direção e dar impulsos positivos para aquilo que é, realmente, importante. O líder discute objetivos com a equipe e prioriza o que for mais relevante ao negócio. Os resultados esperados são traduzidos em atividades, desafios e metas. Em “gembas” no chão de fábrica, é verificado se cada um está cumprindo o seu papel, os assuntos certos são discutidos no local certo, pelas pessoas certas e ações concretas são definidas.

No entanto, é no processo de coaching, que se desenvolve continuamente a capacidade dos colaboradores em garantir melhorias sustentáveis nos processos. Todo o potencial é explorado em uma cultura de aprendizagem que leva a bons resultados.

O coaching inicia com o entendimento da situação inicial “in loco”, na chamada zona do conhecimento. Uma condição alvo é acordada e, então, inicia a zona de aprendizagem. O papel do coach é orientar, desafiar e garantir que o colaborador consiga extrair o seu máximo potencial sem adentrar à zona do medo. Para isso, é necessário disciplina, continuidade, questionamentos sobre o aprendizado adquirido, obstáculos encontrados, próximos passos, e expectativas até o próximo momento de follow-up. Esta técnica evidencia o grande foco da liderança em estar presente, orientar e oferecer suporte ao desenvolvimento do colaborador.

A organização de trabalho permite que o sistema de produção viva de melhorias e constantes otimizações que, com pequenos incrementos, garantem a sustentabilidade e a evolução. A aplicação de inovações como digitalização, inteligência artificial, realidade virtual e ciência de dados, interligam todos os aspectos relevantes e permitem um incremento maior e mais rápido neste desenvolvimento.

No entanto, este nível de tecnologia só é possível com o envolvimento de todos os atores. O colaborador precisa pensar de forma flexível, assumir novos desafios, buscar a sua qualificação em sistemas e processos inovadores, contribuir com ideias e criar soluções. O líder, com base em seu papel, precisa estar próximo, ter atitudes que se complementam como ser visionário, mas realista, ou ser resiliente, mas adaptável e, acima de tudo, deve garantir as condições para desenvolvimento das pessoas.

Ricardo Santin
Diretor de Montagem da Fábrica do BMW Group em Araquari
Crédito das fotos: BMW Group