Leia nossos

conteúdos

  • Liderança e Pessoas
  • 2,55 min

Por que a empresas estão oferecendo mais benefícios para saúde mental?

A discussão sobre saúde mental no ambiente de trabalho está se tornando mais evidente nas empresas é o que revela o estudo do People at Work 2023, conduzido pelo ADP Research Institute. A pesquisa ouviu 32.612 trabalhadores em 17 países, incluindo 1.412 no Brasil. De acordo com ela, globalmente, 68% dos entrevistados sentem-se capazes de ter conversas sinceras sobre sua saúde física no ambiente de trabalho, enquanto 64% afirmam o mesmo em relação à saúde mental.

Os transtornos de saúde mental têm levado um número expressivo de brasileiro a pedir afastamento do trabalho. Um estudo da Universidade Federal Fluminense mostrou que o Brasil é o segundo país com o maior número de casos de burnout no mundo. Dados do Ministério da Previdência Social mostram que houve um aumento de concessão de benefícios por incapacidade devido a transtornos metais e comportamentais no país. Em 2023, foram concedidos 288.865 benefícios, 38% a mais do que em 2022, quando foram concedidos 209.124 benefícios. Em 2021, foram 200.244.

Os números ratificam o que disse Carlos Aldan, especialista em inteligência emocional e CEO do Grupo Kronberg, durante painel A Mente no Comando, na ExpoGestão 2023. “O Brasil está entre os quatro piores países no enfrentamento dos transtornos mentais. Estudos apontam um declínio sucessivo na saúde mental, a cada nova geração. Da mesma forma, percebe-se desgaste maior nas relações familiares e de amizade entre os mais jovens.”

Os dados mostram a importância do debate sobre saúde mental nas esferas governamentais e empresariais, indicando a necessidade de abordagens mais abertas e políticas eficazes para lidar com as questões relacionadas ao bem-estar mental dos trabalhadores. Roberto Aylmer, psiquiatra e consultor destacou, no painel, a necessidade de unir forças no combate aos problemas: “Sabemos lutar com nossos superpoderes, mas não sabemos usar os superpoderes dos outros. A união cria campos de força. Quanto maior esse campo, mais chances de sucesso teremos”.

“Há muitas atitudes de higiene mental, como demonstrar sentimentos, movimentar o corpo, alimentar-se adequadamente, cuidar do sono, dedicar-se a práticas religiosas, ter contato com a natureza, meditar e manter relacionamentos”, explica Fabiano Moulin, médico especializado em neurologia cognitiva e comportamento, que também participou do painel A Mente no Comando. “A saúde mental não é aleatória, não cai do céu. A higiene mental, é uma prática que conduz e mantém a saúde mental: O cérebro tem a função de cuidar do corpo. Se a saúde mental não vai bem, nada irá bem”.