Leia nossos

conteúdos

  • Liderança e Pessoas
  • 3,12 min

Formas de trabalho dividem opiniões depois da pandemia

A transformação digital trouxe avanços tecnológicos que permitiram o trabalho remoto e a colaboração virtual, principalmente, durante a pandemia. No entanto, desde o início de 2023 as empresas pressionam os funcionários para que voltem ao trabalho presencial dois ou três dias por semana, pelo menos.

Dados da CRBE, empresa de serviços imobiliários, registram um crescimento no mercado de escritórios nas principais cidades brasileiras no último semestre, refletindo tendências e movimentos do mercado de trabalho. Em São Paulo, o aumento foi de 48,4%.

Números do LinkedIn Economic Graph, apontam que, em fevereiro deste ano houve diminuição na oferta de vagas remuneradas publicadas com a possibilidade de trabalhar remotamente. Em 2022, nessa época, as vagas remotas eram 38,99% do total, já em 2023, nesse mesmo período, a oferta caiu para 25%. Cálculo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) diz que o Brasil tem cerca de 20,4 milhões de pessoas com ocupações que podem ser adaptadas para o home office, equivalente a 24,1% do total.

Uma pesquisa da Brain Inteligência Estratégica, empresa de pesquisa de mercado, feita com 400 profissionais no Brasil entre novembro e dezembro do ano passado, assinala que 27% dos trabalhadores atuavam presencialmente entre 2020 e 2021. Em 2022, esse número quase dobrou, saltando para 45%. Já o trabalho híbrido, adotado em grande parte das empresas durante a pandemia, caiu de 56% para 43%. Atualmente somente 12% dos profissionais trabalham 100% em home office. Entre 2020 e 2021 chegou a 25%. O levantamento da Brain apontou ainda que 83% dos trabalhadores preferem o modelo híbrido e não gostariam de passar 100% do tempo no escritório.

Já pesquisa Datafolha (dezembro 2022) feita com profissionais de todo o país, mostrou que, se pudessem escolher, 24% dos brasileiros escolheriam o modelo remoto e outros 28% preferem o sistema híbrido, trabalhando tanto em casa quanto na empresa (52% dos entrevistados). Já 45% defendem a jornada somente presencial, e 3% que não opinaram.

A opção pelo home office é maior entre mulheres (28%) do que entre homens (21%). Também aumenta de acordo com a idade, começando em 15% dos entrevistados na faixa de 16 a 24 anos até chegar a 36% entre aqueles com mais de 60 anos.

Texto publicado pela Manpower Group apresenta os benefícios do trabalho presencial e vantagens do trabalho remoto.

Benefícios do trabalho presencial:
Melhor interação e colaboração entre as pessoas;
Maior construção de relacionamento e confiança;
Mais motivação e produtividade;
Redução do estresse, da ansiedade e do isolamento social;
Melhor saúde física e mental.

Vantagens do trabalho remoto:
Mais flexibilidade e liberdade sobre o horário de trabalho;
Economia de tempo e dinheiro com deslocamento;
Melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal;
Maior possibilidade de trabalhar em projetos globais;
Acesso a talentos de outras localizações geográficas.