• ExpoGestão
  • min

Muito além das quadras

A palestra de encerramento do segundo dia da ExpoGestão 2024 teve como tema alta performance, propósito e superação. E nada melhor do que o tenista tricampeão em Roland Garros e número 1 do mundo em 2000, Gustavo Kurten, o Guga, e seu irmão, gestor de sua carreira e sócio da Genial Investimentos, Rafael Kuerten.
Antes de eles falarem, foi projetado um vídeo com momentos marcantes da carreira do tenista. O multicampeão confessou que se emociona cada vez que vê as imagens. Citou a presença da mãe deles na plateia, dona Alice, responsável pelos projetos sociais do Instituto Guga Kuerten. “Sinto-me realizado ao ver que nossos projetos alcançam dezenas de municípios e milhares de crianças e que podemos ajudar o futuro de tantas garotas e garotos”, ressaltou.
Rafael explicou que eles trabalham em harmonia. “Ele é um turbilhão, bagunçado, e eu organizado. Mas ambos sempre soubemos onde queríamos chegar”, explicou. Guga aproveitou para complementar: “sempre tive consciência de minhas responsabilidades. Confiava plenamente no Rafa, pois ele organizava tudo. Assim eu podia me dedicar aos treinos e jogar”.
Guga destacou o papel de seu pai, que faleceu quando ele tinha 9 anos, apitando uma partida de tênis. “Meu pai não foi um sonhador, foi um visionário”, explicou. Em uma época que quase ninguém conhecia tênis, o pai deles comprou uma raquete. Quando Guga saia com ela, tinha gente que perguntava se aquilo era um pandeiro diferente, contou com bom humor.
Rafael aproveitou para destacar a importância do planejamento e da organização na vida deles. Mesmo jovens, os dois encaravam as responsabilidades com dedicação. “Mesmo bagunçado, o Guga era comprometido. A gente sabia o que queria. As etapas estavam claras e organizadas para chegarmos onde almejávamos”, reforçou.
Como superar as dificuldades? Guga respondeu, rindo: “Primeiro, rezar para todos os santos”. Ao relembrar a conquista de Roland Garros, em 1997, quando ainda era um estranho no ninho dos grandes nomes do tênis mundial, Guga contou que era difícil conter as emoções, tanto que nem dormir direito ele conseguia. Então, apresentou algumas dicas para superar os desafios. Precisa ter disposição para aprender e se dedicar ao máximo. Tentar, tentar e tentar. Ser resiliente. Coisas boas acontecem, mas para isso é preciso estar preparado. “E quando a cabeça está um turbilhão, a tensão a mil, o adversário parece um monstro… dá vontade de desistir”, revelou. Então, contou que já passou por isso várias vezes. Teve uma partida que ele não via nenhuma possibilidade de vencer e foi para a cadeira, cabisbaixo. Foi então que o irmão Rafael chegou e disse: “você nunca desistiu. Não vai ser agora. Volta lá e joga com todas tuas forças”. As palavras do irmão foram o gatilho para mais uma vitória e um novo título.
Ao longo de 13 anos de sua trajetória no tênis, Guga conquistou 20 títulos em simples e entrou para a história ao se tornar, em 2000, o número 1 no tênis mundial, após vencer no Master de Lisboa, duas lendas americanas: Pete Sampras e Andre Agassi.
Rafael destacou a facilidade que o irmão tem de ver oportunidades e principalmente como ele se dedica ao que faz. Quando treinava, Guga sempre ia além do que o treinador pedia. “O dia do treino é mais importante que o dia do jogo, quando você aplica o que já treinou. Para ter sucesso é necessário estar bem, cuidar do corpo e da mente. Eu fazia tudo nos bastidores para que o Guga treinasse e jogasse”, explicou.
Guga falou ainda de lembranças de seu pai, do dia em que ele faleceu, de fatos vividos com sua mãe. Citou também uma lembrança que tem de Joinville, sede da Expogestão. Guarda uma foto em que ele, ainda garoto, com a raquete no ombro, chorando, e o irmão ao lado. Ele havia perdido um torneio. “Essas recordações são tão importantes quanto os troféus que guardo, pois tive que passar por isso para conquistar os títulos. Na vida precisamos desenvolver a capacidade de resistir, de suportar a derrota e as dificuldades. Se eu quero, eu posso, se eu posso, eu faço. Mas para isso, eu treino, me preparo, me esforço”, salientou.